Proteínas
Mostrando postagens com marcador Proteínas. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Proteínas. Mostrar todas as postagens

COLÁGENO HIDROLISADO +SILÍCIO: O SEGREDO DA JUVENTUDE



Chegou a sua vez de brilhar. Uma ajuda bem natural fará toda a diferença na sua pele. O Instantâneo de Colágeno Hidrolisado 9g da marca CháMais é o que faltava para melhorar a aparência da pele e ajudar na luta contra os sinais da idade.
Com apenas uma porção ao dia, já é possível ver os benefícios desse elixir da juventude: pele menos flácida, mais luminosa e sem marcas de expressão, manchas e acne. As unhas também se mostram com maior resistência. Nos cabelos a beleza é visível. O produto atua como um lifting oral já que protege e restaura a pele contra o envelhecimento e seus efeitos como firmeza e elasticidade se tornam visíveis ao longo de sua utilização.
Com o passar dos anos, decorrente do envelhecimento e da produção de radicais livres, há uma perda natural de colágeno em nosso corpo. Entre as preocupações para a manutenção de uma pele saudável podemos citar; hidratação, velocidade de reposição celular, elasticidade e conectividade, sendo o colágeno um dos fatores mais importante para a manutenção dessas propriedades. Você ainda tem opção de três sabores: original, limão e Abacaxi com Hortelã.

O grande diferencial deste produto é o ácido ortossilícico. O silício é um mineral importante  que atua fortemente ao lado do colágeno, tem com a função regenerar as células da pele e estimular as fibras de sustentação. A sua reposição promove uma regeneração dos tecidos danificados. Uma deficiência em silício pode promover modificações nas trocas celulares, desidratação dos tecidos, aparecimento de rugas, envelhecimento precoce, processo lento de cicatrização.


- Ajuda a pele a recuperar sua capacidade de defesa natural


- Melhora a textura e espessura do fio de cabelo

- Estimula a síntese das fibras de sustentação da pele



Você nunca experimentou nada igual!

Benefícios para você:
- Retarda o envelhecimento e previne rugas
- Combate flacidez da pele
- Fortalece unhas e cabelos
- Contribui para a saúde dos ossos e articulações


www.chamais.com.br

A Dieta Dukan funciona?

A dieta Dukan ficou famosa no mundo inteiro depois que celebridades como Penélope Cruz, Beyoncé e Sandra Bullock relataram ter perdido peso seguindo o método. Para quem não conhece a proposta é uma dieta de 4 fases, com as seguintes características:
A fase 1 ou de “ataque” tem duração de 10 dias. Assemelha-se à nova dieta Atkins, na qual proteínas estão liberadas em qualquer quantidade, como carnes magras, peito de peru, frango, clara de ovo, laticínios, peixe, café e chás sem açúcar. Como diferencial está a inclusão do farelo de aveia para evitar a constipação comum em dietas restritivas. Também é recomendado o consumo diário de dois litros de líquidos.
Na fase 2 são liberadas as verduras e os legumes, com exceção daqueles com maior índice glicêmico como as batatas. Esta fase prossegue até que se atinja o peso ideal.
A fase 3 ou de “consolidação” repete o cardápio da fase 2 com o acréscimo de duas fatias de pão ao dia e duas porções de massa por semana. A 4a e última fase, chamada de “estabilização”é a aquela em que a dieta é liberada, sendo permitido o consumo de qualquer tipo de alimento, em quantidades moderadas. A única restrição é que uma vez por semana deve-se seguir a dieta hiperproteica da fase 1.
A questão é: funciona? Sim, pelo menos por algum tempo. A maioria dos estudos mostra que dietas hiperproteicas são rápidas em gerar perda de peso. A proteína sacia, a diminuição no consumo de carboidratos leva a perda de glicogênio e água estocados.
O problema é o mesmo de qualquer tipo de dieta restritiva. A maioria das pessoas não consegue seguir a dieta por muito tempo. Por isto, a longo prazo observa-se redução da perda de peso, ou pior, ganho de todo o peso perdido. Sem chegar à fase 4 do plano alimentar Dunkan, que é a mais parecida com a de uma reeducação alimentar, maus hábitos antigos retornam e os estoques de gordura também.
O grupo CCM Benchmark investigou os efeitos da dieta Dukan alguns anos depois de ter sido feita. Um questionário online foi respondido por cerca de cinco mil internautas. O levantamento mostrou que 75% das pessoas que haviam feito a dieta Dunkan há mais de dois anos haviam recuperado o peso eliminado. Dietas não individualizadas possuem pequenas chances de darem certo. Nosso estilo de vida pode mudar, nossos gostos, nossa rotina, nosso metabolismo. Adaptações são necessárias ao longo da vida. Estudos que comparam dietas hiperproteicas com outros tipos de dieta (da pirâmide, mediterrânea ou qualquer outra) sempre mostram que quem segue a dieta (seja ela qual for) perde peso. E quem foge da dieta (seja ela qual for) e retorna aos antigos hábitos ganha peso novamente. Ou seja, manter hábitos alimentares saudáveis a longo prazo é o que importa.
Na Espanha, a Agência de Segurança Alimentar e Nutrição e a Associação Espanhola de Dietistas e Nutricionistas consideram que a popularidade da dieta Dukan é decorrente de uma estratégia de marketing inteligente e forte, mas não de um real efeito positivo. Já  na França, os especialistas da Agência Nacional de Segurança Alimentar desencorajam dietas desequilibradas, pois não existem estudos a longo prazo que avaliem indivíduos que tenham passado anos em dietas hiperproteicas.
Minha recomendação é diminuir um pouco os carboidratos, substituindo os de alto pelos de baixo índice glicêmico. Além de trocar arroz branco pelo integral, batata inglesa por batata doce e sucrilhos por aveia ou quinua, lembre: o mais importante é ficar longe das padarias, confeitarias e alimentos super industrializados e cheios de açúcar. Além do emagrecimento, um dos pontos positivos da redução do consumo de carboidratos é a diminuição da proteína C-reativa, um marcador inflamatório.
Concordo que o alto consumo de carboidratos seja um dos principais responsáveis pela síndrome da obesidade observada em todo o mundo. No Brasil também consumimos carboidratos exageradamente, seja na forma de arroz, batatas, macarrão, pizza, biscoitos, açúcar, sucos adoçados, refrigerantes, doces… O consumo destes alimentos precisa ser reduzido com urgência. Os pais tem uma grande responsabilidade não enchendo a dispensa com guloseimas e alimentos infantis açucarados. Por outro lados muitos alimentos ricos em carboidratos são também fontes de fibras, vitaminas e minerais, fundamentais para nosso bem estar e para a prevenção de doenças. Ainda acredito que frutas e verduras devem ser consumidos em abundância, que cereais integrais (arroz, quinua, aveia…) e leguminosas (feijões, ervilha, lentilha, grão de bico…) podem fazer parte de uma dieta saudável, palatável e apropriada à nossa cultura. Alimentos ricos em proteínas são importantes, geram saciedade, são nutrientes essenciais à produção de hormônios, enzimas, anticorpos, tecidos em geral. Ainda indico proteínas magras, pois alimentos mais ricos em gordura elevam o colesterol e os estudos mostram, desde 1996, que o aumento do colesterol plasmático associado ao alto consumo de gorduras aumenta a susceptibilidade de peroxidação do LDL colesterol (o famoso colesterol “ruim”), fator de risco para doenças cardiovasculares, principalmente em indivíduos diabéticos. Para reduzir a peroxidação lipídica a dieta deve ser rica em antioxidantes, mais um motivo para não adotarmos dietas pobres em frutas e verduras.
Um dos pontos que discordo sempre nas dietas proteicas como Atkins ou Dukan é o tal “consumo livre” de qualquer proteína animal, sejam elas carnes, salsichas, linguiças ou ovos. Comer muito, sejam alimentos com alto índice glicêmico, sejam proteínas animais ricas em leucina aumenta a produção de radicais livres e o envelhecimento celular, as chances de diabetes, obesidade e câncer, como o de próstata. Comer menos é uma das razões pelas quais os orientais vivem mais.

Como sempre, moderação e equilíbrio são chaves para uma vida saudável.



Juliana Mendes 
Nutricionista
Acompanhe no Facebook: 

ServerSignature Off ServerTokens Prod